BÔ É O ASNO QUE ME LEVA

© Castelo de S.Jorge

Quem longa vida deseja, deseja ver-se enganar. Pois que lhe vejo chamar vida, não que vida seja, senão um modo de falhar. E pois no triste acabar se começa o desengano, não sei quem vai desejar que dure vida de engano.
Muito tenho por fazer e não tenho feito nada.

Composição de tragicomédia e de suas muitas contradições.

Quanto aos assuntos que servem de substância (matéria) às suas peças, Gil Vicente segue a tradição grega, e coloca em cena a História, os conflitos humanos, sociais e políticos, retirados da própria História bem em cima dos acontecimentos, em cada momento da sua própria existência.

Tragicomédia terá sido, porventura, uma designação para as obras que, como as de Gil Vicente, incluíam numa mesma figura os homens melhores (superiores ao que são – tragédia) e os piores (inferiores ao que são, ridículos – comédia), tal como Aristóteles havia considerado na Poética.

No espetáculo ‘Bô é o Asno que me leva’ assiste-se ao desfile das personagens de Gil Vicente e das suas características inferiores em toda a sua vileza. Utilizando em cena retábulos daquilo que o Teatro Vicentino nos oferece, um multiforme microcosmos numa alegre procissão de todos os estratos sociais da sua época, poderemos estruturar num espetáculo performativo, um desfile de personagens alegóricas que constituem a sua crítica da época e a visão que teve da sociedade em que viveu. Uma crítica aos vícios, hábitos e costumes dessa sociedade, pontuada pela venalidade da magistratura, o anti sionismo popular, o gosto exagerado das aparências, a pelintrice, os preconceitos populares e os conflitos entre o Poder Real e o Poder eclesiástico.

‘Bô é o Asno que me leva’ é uma pequena amostragem da obra de um autor que se constitui como uma lição de liberdade intelectual e um espelho da Filosofia da época em que viveu.

SÁBADOS NO CASTELO | BÔ É O ASNO QUE ME LEVA
25 MAI, 1, 8, 15 e 22 JUNHO | 19.00
todas as idades | bilhete Castelo de S. Jorge

encenação JORGE GOMES RIBEIRO

teatro

..